terça-feira

Que tipo de SABEDORIA é exaltada através do sábio rei Salomão?



Que tipo de SABEDORIA é exaltada através do sábio rei Salomão?


A sabedoria que Salomão tinha teve início no temor a Deus (Provérbios 9: 10), e levou a ele e ao seu reino Israel à prosperidade. Mas no final da vida Salomão se perdeu numa inaceitável decadência espiritual, tornando-se idólatra por influência do excesso de esposas e de concubinas que tinha como resultado das suas políticas (1 Reis 11) - casamentos de reis e de nobres eram parte de acordos políticos na antiguidade, por meio de casamentos reinos estabeleciam acordos de paz.

Salomão era sábio, mas o tipo de sabedoria que ele tinha está mais para a de um exímio estadista, um grande diplomata, um líder que precisa saber fazer política, que faz concessões e acordos, que sabe agradar a todos, que adota o politicamente correto, que une diferentes tradições com paz e harmonia entre diferentes culturas e crenças e que chega ao ponto de estabelecer a idolatria em seu país, lado a lado com a santa religião do Senhor. 

Sim, do ponto de vista humano essa capacidade de unir e de construir pode ser tratada como virtude, uma grande sabedoria. Um estadista que agir assim, construindo pontes entre culturas diferentes e costurando a união entre costumes diferentes certamente seria um promotor da paz e da prosperidade sob sua administração.

Esse é o tipo de sabedoria que é esperada dos líderes políticos, dos estadistas, dos administradores públicos. Uma sabedoria que nasce de princípios divinos, do temor do Senhor de onde procedem as nossas noções de justiça, de humanidade, de liberdade e de bem. É da Lei do Senhor que tiramos nossas noções de direitos humanos. Mas os governos lidam com a diversidade de culturas, de costumes, de crenças e, apesar desses líderes serem instrumentos de Deus para a condução da história (Romanos 13) eles servem aos reinos dos homens e não ao Reino de Deus. Então a sabedoria que eles podem ter pode ser elevada mas nunca será completa, ela tem apenas início no temor do Senhor mas não avança nesse temor, ignorando aspectos fundamentais das verdades de Deus como a necessidade de se lidar com o problema do pecado humano e da devoção cultual ao único Deus que se revelou a nós por meio de Cristo.

Diferentemente da sabedoria diplomática que tem apenas o seu princípio no temor do Senhor, o Evangelho, que é a sabedoria de Deus revelada em sua plenitude (1 Coríntios 1: 21; 3: 19) não lida diplomaticamente com o mundo ou com os seus valores. O Evangelho aponta para Cristo como Messias, Salvador e Senhor e apregoa a vinda do Reino de Deus em contraste com a condenação deste mundo. Ele não negocia os seus valores com um mundo submerso no pecado - pelo contrário declara a necessidade de arrependimento e de perdão - e exige que as pessoas se coloquem no seu lugar correto diante do Deus Santo e Criador. Por tudo isso, o mundo repudia a plenitude da sabedoria de Deus revelada no Evangelho de Cristo (João 17: 14 - 18; 1 João 2: 15). Os fatos de Cristo ter sido crucificado e de os cristãos da igreja primitiva terem sido, em grande parte, martirizados por causa das verdades de Deus que pregavam apenas evidenciam o conflito, o contraste irremediável entre os valores deste mundo com os valores do Reino de Cristo. 

Por isso, política e religião são irremediavelmente distintas (não existe e nunca existirá uma bancada verdadeiramente "evangélica"). O Estado deve ser laico e a Igreja não deve se intrometer em política.

A sabedoria que Salomão possuía não era "evangélica", ele não consta na galeria da fé de Hebreus 11 e não é, portanto, um exemplo de fé para os cristãos. Mas ele certamente era um sábio estadista, um diplomático, alguém que nos dias atuais poderia muito bem ser enquadrado como um humanista, um liberal, um grande pensador ou filósofo que teve seus pensamentos originalmente baseados em princípios divinos mas que em suas elucubrações divagou para muito longe dos caminhos do Senhor assim como da perfeita sabedoria.

O modelo de sabedoria diplomática de Salomão tem sido buscada e praticada também nas universidades que foram fundadas a partir de princípios cristãos, mas que reduzem o Evangelho a meros princípios e substitui suas afirmações por diálogos com a diversidade (acatando ídolos), tornando essas instituições, na prática, em promotoras de uma pluralidade de ideias e de valores que aos olhos seculares são chamadas de virtudes, mas que inevitavelmente descambam para a idolatria que é vista numa pluralidade onde não existe lugar para os valores absolutos do Evangelho.

Em Salomão devemos aprender que toda a sua glória não supera a frágil beleza de uma erva do campo (Mateus 6: 28-30) - é passageira tal como um castelo de areia.