terça-feira

E se os Mártires da Igreja Primitiva fossem adeptos do politicamente correto como muitas igrejas o são atualmente?

Fiz algumas montagens de imagens que representam algumas das cenas de martírio de cristãos da Igreja do Primeiro Século com mensagens que habitualmente são pregadas pelos pregadores modernos, líderes que evitam falar de pecados, que evitam se indispor e que primam pelo politicamente correto.

Será que combina?

Abaixo de cada montagem (quase que sacrilégios) eu postei alguns versos bíblicos que refutam as frases que estão dentro dos quadros.


"Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele." (1 João 2:15)

"Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus" (Mateus 5:10)


"E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo,

E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé;

Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte;

Para ver se de alguma maneira posso chegar à ressurreição dentre os mortos." (Filipenses 3:8-11)


"Como está escrito:Não há um justo, nem um sequer.
Não há ninguém que entenda;Não há ninguém que busque a Deus.
Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis.Não há quem faça o bem, não há nem um só." (Romanos 3:10-12)


"Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê...
Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá pela fé."
(Romanos 1:16,17)


"Conjuro-te, pois, diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu reino,
Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina.
Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências;
E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas."
(2 Timóteo 4:1-4)


"Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus." (Romanos 12:1,2)


"Saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados." (Tiago 5:20)
______________________________________________________________



IGREJAS "EQUILIBRADAS" QUE TENTAM CONCILIAR O EVANGELHO COM AS ALEGRIAS E REALIZAÇÕES NESTE MUNDO.

"Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele." (1 João 2: 15)

Segundo as palavras de Jesus, para que serve o sal que se tornou insípido senão para ser lançado no chão e ser pisado (subjugado, humilhado) pelos homens? (Mateus 5: 13)

A inutilidade de uma igreja predominantemente covarde, apática, envolvida com as preocupações dessa vida, com dinheiro, carreira e prestígios (lembremos da parábola do semeador quando trata dos espinhos sufocantes - Mateus 13: 22) e que se tornou morna (prestes a ser vomitada - Apocalipse 3: 16) são evidências alarmantes do desvio da sua função, da sua apostasia. O mundo mergulhado em iniquidade crescente é apenas uma consequência de uma luz que se apagou (Romanos 1: 21) e a primeira coisa que os "remanescentes" cristãos precisam fazer é, por meio do arrependimento praticado e conclamado, retornarem às práticas exigidas pelo Evangelho sem as misturas "conciliadoras" dos pensamentos modernos.

Onde estão as bem-aventuranças proclamadas por Jesus? (Mateus 5: 1 - 15)

É absurdamente frustrante o predominante reducionismo que se faz nas exposições bíblicas públicas na atualidade.

Quando tudo o que se procura são remédios para relacionamentos interpessoais, ou para dores, lutas e dramas humanos em lugar de se objetivar a glória do Deus que se revela numa pregação genuinamente bíblica e cristocêntrica, o que se alcança com esse reducionismo, um desvio de propósito, é o empobrecimento da fé vivenciada que se traduz no nanismo, na fraqueza e na irrelevância de igrejas inteiras que acabam descaracterizadas de tão incapazes de cumprirem a sua missão proclamatória da Graça e do Juízo de Deus.

E se a leitura sistemática do Evangelho te criar sérios problemas com o sistema em que você vive?

E se você perceber que Jesus não ensinou e não quer que os seus seguidores se adequem ao mundo ao redor?

E se Jesus te fizer entender que antes de você, Ele mesmo teve problemas porque pregou um tipo de amor - o de Deus - que não é complacente?

E se você perceber que muitas das abordagens que são feitas a respeito do Evangelho servem mais às resoluções dos problemas que o Evangelho causa, servem mais às adequações das pessoas ao seu mundo e servem mais à complacência que resulta em fraqueza de fé - coisas opostas do que pretende o Evangelho?

Não se engane! O cristianismo bíblico, verdadeiro, não é adepto das ideias atuais do "politicamente correto" porque a Verdade não pode ser adulterada, nem negada.

"O sangue dos mártires é a semente da igreja."
Tertuliano