quinta-feira

O quê queremos ser como Igreja?



A palavra “igreja” vem do termo grego ekklēsia, que significa assembleia, reunião. Portanto igreja é a congregação, ajuntamento ou assembleia dos crentes que o próprio Jesus reúne para formar seu corpo neste mundo para a adoração congregacional a Deus e também para a realização da missão cristã em todas as suas diversas formas (At. 2: 1).

É normal as pessoas que desconhecem o Evangelho terem conceitos equivocados sobre a igreja, afinal, elas ainda desconhecem a Palavra de Deus e ainda estão cegas a respeito das verdades do Senhor (Is. 44:18) - é através da propagação das verdades bíblicas que Deus distribui o seu conhecimento para frutificar nas vidas dos seus eleitos (Lc. 24: 45). Mas um grave problema é quando os próprios cristãos têm conceitos equivocados a respeito desse importante instrumento da Graça de Deus que é a igreja (Ef. 5: 17).

Diversas pessoas que se consideram cristãs acham que igreja é apenas o lugar onde elas praticam a sua religião – e muitas vezes com enfado (como se Deus precisasse desse “favor”). Para muitos ir à igreja é um ato de legalismo bastante pesaroso e não pouca gente tem trocado a adoração a Deus pelos prazeres do mundo (na verdade quem age assim tem um problema muito grave, possivelmente o seu coração está de tal forma endurecido que Deus não é, para essa pessoa, um deleite – Sl. 37: 4).

Essas formas de se lidar com a igreja são pecados, ofendem ao Senhor da Igreja, evidenciam desprezo pela adoração congregacional a Deus, comprometem a comunhão cristã e prejudicam a missão cristã no mundo tanto na propagação da Palavra (Rm. 10: 14) como no serviço cristão que o próprio Jesus requer dos seus servos a quem precisa (Mt. 25: 34). Mas esses pecados, graças a Deus, podem ser tratados e corrigidos. Onde pecamos podemos alcançar o perdão de Deus (se houver arrependimento) e podemos ajustar a nossa conduta no caminho da retidão (Hb. 10: 24).

Nós, crentes reunidos na nossa Igreja local, da qual fazemos parte e que é, na verdade uma partícula do todo que é o Corpo de Cristo (a Igreja invisível, a verdadeira comunhão dos cristãos) não queremos pecar contra o Senhor no modo como vivenciamos a nossa fé. Ainda que muita gente faça as coisas erradas, nós estamos decididos a acertar, a nos esforçar no caminho da fidelidade àquele que nos chamou, reuniu e que nos tem capacitado para uma grande obra (Fp. 1: 6).

Apesar de todos nós sermos imperfeitos, limitados e pecadores nós confiamos na perfeição, no poder e na santidade de quem nos reuniu aqui nesta igreja – e Ele é sábio e sabe o que faz. Estamos reunidos aqui para fazermos a sua vontade no cumprimento da nossa missão cristã na adoração a Deus do modo como Ele é digno, com todo o coração (Mc. 12: 30). Queremos cumprir a nossa missão cristã também na comunhão cooperativa entre a membresia desta igreja (1 Co. 12: 12) para todos crescermos juntos tanto na Graça como no conhecimento de Deus (2 Pe. 3: 18) e assim sermos mais fortes e melhor capacitados para estender as nossas mãos aos necessitados, consolar os aflitos (Is. 61: 1), propagar o Evangelho, batizar novos convertidos e formar muitos novos discípulos de Cristo (Mt. 28: 19) enquanto o Senhor nos permitir viver esta vida (que ela seja inteiramente consagrada a Cristo – Fp. 1: 21).


Queiramos, todos juntos, ser uma Igreja vibrante, servil, atuante e transbordante da Graça de Deus!
P.S. - Este é o primeiro texto que fiz para o boletim da Igreja Presbiteriana de Vila Diva, onde congrego.