terça-feira

O Perdão Eficaz de Deus e a Impossibilidade de se Perder a Salvação.



O perdão de pecados por Deus é dado às pessoas única e exclusivamente por causa dos atos de Cristo - por causa do seu sofrimento e morte na cruz (seguida pela sua ressurreição) para pagar as penas devidas pelas nossas transgressões da Lei de Deus - e esse perdão completo e eficaz é concedido aos eleitos, os salvos, àqueles que são transformados em filhos de Deus pelo seu próprio poder e exclusivamente por obra da sua Graça.

Mas o perdão eficaz exige um requisito: o arrependimento. Para ser perdoado por algo o pecador deve arrepender-se do que fez, caso contrário o perdão que lhe seria concedido seria um desperdício de virtudes e uma demonstração de complacência diante do mal, seria como liberar o criminoso de suas penas sem que esse criminoso realmente se importasse com o que fez, seria um ato de injustiça. Mas, no conceito divino, a relação perdão-arrependimento-regeneração funciona diferente das noções humanas de justiça pelo simples fato de que o padrão da justiça divina é muitíssimo elevado se comparado com as imperfeitas e decadentes virtudes humanas. Nossas mais elevadas virtudes não passam de farelo sujo com ofensas em comparação com o alto padrão da santidade de Deus. Por isso não há como satisfazermos as exigências elevadas do perdão de Deus com nosso suposto arrependimento, que de tão débil cede facilmente a outros pecados consecutivamente – pedimos perdão pelo pecado de hoje, mas amanhã ou depois cometemos outro - ao passo que o perdão divino é definitivo, Deus não mente e não se contradiz e uma vez perdoados por Ele o mal que cometemos não será levado em conta, mas é lançado no fundo do mar do esquecimento.

Então, no que diz respeito à nossa relação com Deus como pecadores e Ele Santo e perdoador, essa dinâmica é bastante diferente daquilo que julgaríamos justo nas nossas relações humanas: o próprio Deus garante os meios necessários para a eficácia do seu perdão mesmo diante dos sucessivos e fracos arrependimentos humanos porque Ele é o principal interessado em nossa salvação – pelo menos o único interessado até que tal interesse e virtude sejam em nosso coração plantados por Ele mesmo através do trabalho transformador do Espírito Santo. Ou seja, até mesmo o desejo e a alegria pela salvação, assim como o arrependimento, o amor por Deus e a fé (entre outros dons e virtudes) são coisas dadas por Deus às pessoas e não são produzidas em nós por nossa vontade ou esforço e também não fazem parte da nossa natureza. Os milagres da regeneração e da santificação são operados por Deus na vida dos crentes, incluindo os princípios, os meios e os fins para a sua realização.

Assim, sobre a relação perdão- arrependimento, devemos entender que o arrependimento é um comportamento que não pode se restringir apenas ao início da vida cristã na chamada conversão, mas é uma prática constante na vida de um cristão ao passo que durante toda a vida somos tentados, e muitas dessas vezes caímos em pecados diversos, em graus maiores ou menores, e que durante todo esse processo que é viver em Cristo, a Graça divina sempre apontará para a santificação continuada, para a virtude e para a verdade numa luta constante de influências onde a salvação nunca poderá ser perdida e onde a Graça triunfará. Ou seja, a salvação é perfeita porque é um ato divino e definitivo ao passo que o arrependimento é imperfeito na medida em que é uma resposta humana à Graça de Deus. Os nossos arrependimentos, assim como qualquer virtude humana, sempre estarão manchados por nossas imperfeições e limitados por nossa finitude.

Esse trabalho divino nas vidas dos crentes, regeneração (fazer nascer uma vida nova) e a santificação (o aperfeiçoamento progressivo em semelhança ao caráter de Jesus), terá somente na Glória, na vida futura com Cristo no paraíso, a sua completa manifestação – somente lá seremos perfeitos e imunes ao pecado e aos seus efeitos e enquanto essa plenitude de vida não é alcançada nós a vislumbramos por fé, baseados nas promessas de Deus enquanto vivemos essa vida, na qual ainda lutamos contra o pecado e ainda somos suscetíveis a ele - mas também estamos seguros por causa da Graça de Deus que nos foi dada e na qual devemos nos firmar - a fé e o amor por Deus são evidências da segurança da salvação. Essa talvez seja a principal batalha pessoal dos cristãos (mas não é a única): perseverarmos no caminho de Cristo enquanto lutamos contra nossa própria natureza suscetível às diversas formas de pecado num mundo caído e hostil à Graça de Deus e que já está condenado à ira da implacável e perfeita justiça do Todo-Poderoso.

Nessa trajetória da vida nós sofremos altos e baixos e infelizmente ela pode ser marcada por fortes crises ou pelo enfraquecimento de fé diversas vezes, uma ameaça real que pode nos levar a sucumbir e ceder novamente à prática de pecados. Somos fracos... Por isso, infelizmente é possível que um salvo por Deus experimente verdadeiros “vales de sombras e de morte” através de angústias, sofrimentos, enfermidades, medos, etc... ou pior, esses vales podem ser vivenciados através de pecados pessoais, de vícios, de traições, de crimes e entre muitos outros pecados mais ou menos extremos alguns acabam se rendendo  à proposta tentadora de fuga que o suicídio oferece (porque na maioria das vezes quem tira a própria vida o faz porque está procurando não acabar com sua existência, mas, num estado de falta de lucidez, acabar com sua profunda angústia, sem contar os casos motivados por graves doenças psicológicas ou cerebrais, coisa de ordem química e biológica). 

Será que perderam a salvação aqueles que verdadeiramente foram salvos um dia, aqueles que demonstraram uma fé verdadeira e um amor verdadeiro por Deus durante uma importante etapa de suas vidas? Se considerarmos que a verdadeira fé e o verdadeiro amor por Deus são dádivas dadas por Ele mesmo, e que Ele não comete injustiças e que seus dons são irrevogáveis, nós podemos concluir, com confiança, que quem possui fé verdadeira nunca o negará verdadeiramente e quem ama a Deus de verdade esse amor nunca deixará de existir, porque essas virtudes são apenas reflexos de algo maior e mais poderoso que é a Graça divina, e absolutamente nada pode separar alguém do poder do seu amor, nem mesmo tormentos que podem ocorrer em tempos de fraqueza pessoal e que podem levar um salvo e filho de Deus a desesperar-se. Podemos afirmar que os verdadeiros salvos nunca perderão a sua salvação, ao passo que os falsos convertidos nunca foram salvos de fato (e não existe salvação para ser perdida nesses casos). Também não cabe a nós tentar discernir os falsos dos verdadeiros crentes, o joio do trigo. Esse julgamento pertence somente a Cristo e quem se atreve nisso comete pecado. 

Mas temos que atentar para a verdade de que se um crente enfraquece em sua fé e acaba cedendo ao pecado é exclusivamente por fraqueza e irresponsabilidade dele em não utilizar-se adequadamente dos meios de Graça (oração, comunhão, vigilância, etc) para manter-se firme que um estado de obscuridade espiritual o atormenta. Todos colhemos o que plantamos, tanto para bem como para o mal - essa é uma lei universal, e na vida cristã não deveria haver espaço para a indolência espiritual. Mas mesmo esse estado decadente, que pode ser provisório e que é comum a todos, não é capaz de anular o que Deus fez, faz e fará. 

Somente poderemos entender a eficácia da salvação quando entendermos que ela não é e nunca esteve baseada nas pessoas e que ela não se concretiza por causa do que fazemos, sejam atos bons e virtuosos para que a salvação se cumpra ou atos ruins e reprováveis para que a salvação seja perdida. Ela não existe e não é realizada por causa da igreja, também não é alcançada como consequência da fé pessoal – embora a fé seja fundamental para a salvação no sentido de que a fé é um dom divino que nos é dado para respondermos positivamente ao seu chamado para seguir a Cristo e para viver em fidelidade à sua vontade em sua presença, embora não o possamos ver (ou sentir e comprovar sua existência concretamente - de acordo com os meios materiais humanos) enquanto vivemos nessa atual realidade transitória. A fé é uma resposta necessária e real, uma reação vivificadora do Evangelho (a boa notícia) que desperta nossos sentidos para realidades maiores que as limitações materiais, porém a fé é posterior a uma ordenação divina para a vida, a sua Graça salvadora.

Os cristãos são chamados para a virtude, mas ainda são suscetíveis ao mal e por isso suas vidas devem ser marcadas pela submissão servil a Deus, pela perseverança e pela vigilância. Os resultados dessa disciplina é uma vida cristã vibrante e frutífera! Mas todos nós sabemos que vacilamos freqüentemente e a própria Palavra de Deus é repleta de registros sobre essa realidade, afinal “o bem que desejo eu não faço, mas o mal que reprovo esse eu faço... miserável homem que sou!”

Para os salvos, todos os seus pecados já foram vencidos, pagos e perdoados por Cristo antes mesmo desses pecados terem sido praticados e antes mesmo dessas pessoas existirem. Deus não está limitado naquilo que nós chamamos de tempo. Cristo manifestou-se no mundo naquilo que o Novo Testamento chama de plenitude dos tempos no sentido em que toda salvação, todo perdão divino e toda salvação ocorridas em todos os tempos ao longo da história, e a isso estão incluídas todas as pessoas que viveram muito antes ou muito depois de Cristo e em todos os lugares... Todos os eleitos de Deus foram salvos exclusivamente pelos atos do Filho de Deus, e esses atos ocorreram num momento histórico e numa época central em toda a existência em conformidade com os planos divinos que incluem toda a eternidade. De um ponto específico na história fluiu toda a Graça necessária para cobrir toda a eternidade. Cristo veio ao mundo uma vez como cordeiro para ser sacrificado para salvar e para reivindicar para si tudo o que lhe pertence, e um dia Ele voltará para apropriar-se, vitorioso, do seu prêmio: pessoas redimidas, salvas e um mundo refeito para a sua glória numa nova realidade chamada de “novos céus e nova Terra”. 

Porém, os que não foram salvos permanecerão como são por natureza: réprobos, amantes dos seus pecados e eternamente banidos do Deus Santo que é a fonte de toda vida e por isso esse estado miserável de existência à parte de Deus no chamado inferno é um lugar de juízo e de uma terrível morte eterna (ausência da Graça de Deus, mas não da sua justiça) – afinal foi baseados nisso que esses viveram suas vidas...


Num ato central na história – Cristo – a salvação foi consumada e não há absolutamente nada que possamos fazer para desfazê-la nas vidas daqueles que foram alcançados por seu poder soberano. Resta a nós simplesmente nos curvarmos ao seu senhorio em devoção e em adoração, dizendo-lhe do fundo dos nossos corações que precisamos do seu perdão e da sua salvação e que precisamos serví-lo.