sexta-feira

A auto-existência de Deus.

Deus não depende ou precisa de nós ou do restante da criação para coisa alguma. Não depende de nada para existir (não depende da nossa fé para ser e agir – se não crermos nEle, Ele não será menos verdadeiro por isso). Não foi criado, não teve um início e não terá um fim. Ele é a causa e motivo de todas as coisas e, portanto, é a mais importante de todas as coisas. Toda a criação – e obviamente inclui-se a humanidade e especialmente a igreja aí - existe para o seu louvor, glória, alegria e foi criada por amor. Mas, Jesus afirmou na oração sacerdotal (Jo 17. 5) que antes mesmo de que houvesse mundo, Ele tinha glória junto do Pai na eternidade, ou seja, embora a criação exista para a glória de Deus, a glória de Deus sempre independeu da criação para existir e ser celebrada, pois ela já existia antes. Da mesma forma, embora a criação – e especialmente a igreja – tenha sido criada por amor, e daí foi constituída uma relação de amor, Deus nunca dependeu da criação para evidenciar e viver seu amor, pois na mesma oração (Jo 17. 24) Jesus afirmou que era amado pelo Pai desde os tempos eternos. Contudo, o Deus que já vivia na plenitude de sua glória e amor desde a eternidade decidiu criar o mundo para regozijar-se nele e compartilhar com ele seu amor e glória, recebendo de sua criação também tais coisas (Ele recebe o que, no final das contas, já possuía desde sempre).